Talento Sênior

Os mitos sobre os profissionais maduros, segundo especialista

Tempo de leitura: 7 minutos

Compartilhe este post!

Mulher branca dos cabelos médios castanhos sorrindo e sentada em um sofá marrom, com blusa de manga curta branca e calça branca, um cachecol branco com detalhes verdes, está com as mãos em cima das pernas, ao seu fundo uma parede de tijolos

Por Cristina Sabbag
Publicado no site Sempre bem em 02/08/2022

Para Cristina Sabbag, os mitos sobre os profissionais maduros, com mais de 45 anos, é o grande desafio a ser vencido

Após os 45 anos, as pessoas vão descobrindo barreiras no mercado profissional devido à idade. Com a longevidade da população, essas barreiras devem ser combatidas. Há profissionais que se preparam e, apesar dos obstáculos, avançam.

Mônica Lobenschuss, empresária do ramo de marketing digital, é um exemplo de como é preciso superar os preconceitos contra as pessoas com mais de 45 anos. É um público muito importante que está se firmando como consumidores e profissionais, e que precisa ser melhor atendido pelas empresas.

“Cheguei aos 50 anos trazendo ruguinhas e alguns cabelos brancos, mas também com uma bagagem de experiência que interessa ao mercado, e isso me trouxe novos desafios, positivos.” Assim, Mônica define o seu trabalho na idade madura.

Cristina Sabbag, CDO (Chief Diversity Officer) e sócia e principal Research da Talento Sênior – empresa do grupo Talento Incluir – que tem como objetivo colaborar com a inclusão de profissionais maduros no mercado de trabalho, explica:

 “Para esse aumento da longevidade, o desafio do mercado de trabalho tem sido em dar continuidade à jornada profissional desses profissionais maduros, que esbarra em três mitos a serem combatidos:

  • Não podem trabalhar;
  • Não é potente como consumidor;
  • Não gosta de tecnologia.

Empreender na própria carreira

Mulher branca com cabelos loiros que vão até seus ombros, sorrindo, usa uma blusa de manga preta, um colar preto, está sentada, com os braços em cima da mesa e uma mão em cima do seu outro braço, unhas pintadas de vermelho, e atrás dela um cenário desfocado meio escuro, com algumas placas na parede e um lustre

 

Aos 50 anos, Mônica Lobenschuss, num ambiente de mudanças no emprego formal, optou por ser empreendedora da própria carreira.

“É preciso se adaptar às realidades e desenvolver uma rede de apoio que permita aos 50+ negociar não apenas seus conhecimentos, mas também desfrutar de novos aprendizados.”

Nós conversamos com a Mônica sobre os desafios na virada dos 50 anos.

Como está sendo para você a nova experiência dos 50 anos? 

Vejo a virada dos 50 anos como um marco. Me sinto ainda mais produtiva e focada. Acho que bate aquele sentimento de não ter tempo a perder e isso traz mais performance.

Muitas mulheres relatam viver o preconceito de idade e invisibilidade após os 50 anos. Você passou por isso?

Sim, ouço comentários e às vezes, em alguns ambientes, vejo olhares diferentes. Mas quando começo a falar e as pessoas percebem que me mantive atualizada, produtiva, agregando valor, tudo muda. O preconceito existe, mas está sob a nossa responsabilidade mostrar a imagem verdadeira, de pessoas com experiência, sabedoria, paciência, conhecimento e atualização. É mudar o paradigma de “ultrapassado” para “mentor”.

Quais os desafios para os profissionais maduros na sua opinião?

A idade me ajudou a fechar ciclos e mudar de fases, evoluindo. Tive o privilégio de começar alguns negócios do zero e de vendê-los com sucesso, de ser chamada para palestras, mentorias de startups, ser conselheira de empresas, coordenar MBA, ganhar prêmios…cheguei aos 50 trazendo ruguinhas e alguns cabelos brancos, mas também com uma bagagem de experiência que interessa ao mercado, e isso me trouxe novos desafios, positivos.

Quais suas lições de vida na chegada à meia idade?

Muitas lições de vida estão presentes agora, mas o equilíbrio é uma das principais. Investir no desenvolvimento profissional e, ao mesmo tempo, no autoconhecimento. Ser dona do meu tempo e da minha agenda, ser muito produtiva e disciplinada para ter tempo incondicional para a família, voluntariado social e para ajudar com a minha experiência a todos que pedem colaboração. E dar valor ao que realmente tem valor (acho que a pandemia ajudou muito nisto também).

Os mitos sobre os profissionais maduros

Cristina Sabbag estuda o impacto do envelhecimento e o preconceito etário nas organizações e suas consequências. E aconselha empresas sobre as mudanças provocadas pelo crescimento e ascensão das pessoas 50+. Nesse artigo, ela define os mitos sobre os profissionais maduros.

“O país já ultrapassou os 54,8 milhões de pessoas acima dos 50 anos. São mais de 28 milhões de idosos (acima de 60 anos). A expectativa é que esse número dobre de tamanho nas próximas décadas, de acordo com as estatísticas do IBGE (2018). Em 2050, o Brasil será o 6º país com a maior população idosa do mundo, na frente de outros países desenvolvidos.

Pela primeira vez na nossa história, a população com mais de 60 anos, é maior que a de até 5 anos. Em 2030, teremos mais idosos do que pessoas com até 14 anos. Para esse aumento da longevidade, o desafio do mercado de trabalho tem sido em dar continuidade à jornada profissional desses profissionais maduros, que esbarra em três mitos a serem combatidos:

  • Não podem trabalhar;
  • Não é potente como consumidor;
  • Não gosta de tecnologia

Para cada um desses mitos já existem um ‘sem número’ de estudos e pesquisas que comprovam exatamente o contrário. De acordo com um estudo do DIEESE elaborado com base nos dados da PNAD Contínua (IBGE) a população considerada idosa (60+) representa 17,9% dos brasileiros. Uma taxa expressiva e que evidencia a importância dos idosos para a economia do país. Porém, apenas 18,5% estão trabalhando. Onde estariam os outros quase 82% senão buscando emprego ou tentando empreender, já que cerca de 75% deles contribuem com a renda da casa.

Esse é um sinal de que tem muito profissional produtivo e especializado nesse universo, que segue ignorado pelo mercado de trabalho. A barreira do preconceito afasta as oportunidades de profissionais maduros e experientes continuarem sua jornada profissional e, consequentemente, de consumirem e se desenvolverem.

Segundo o estudo “Tsunami Prateado”, realizado pela Pipe Social e Hype60+, esse é um público que vive com seu próprio dinheiro. Os dados apontam que 86% das pessoas 55+ e 93% das pessoas 75+ possuem renda própria. Mas o aumento de custos com saúde e ajustes financeiro às novas realidades impõe desafios que precisam ser vencidos. Eles não podem e não querem parar.

Os nossos idosos de hoje estão recebendo os filhos de volta em casa e boa parte deles está garantindo o sustento da família. Assim, provam todos os dias o quanto ainda estão ativos e prontos para o trabalho. É a eles que as empresas vão precisar recorrer. Para isso, é urgente que “enxerguem” as oportunidades do aumento de expectativa de vida do mercado de trabalho à sociedade de forma geral.

Vivendo mais, essa população precisa ser considerada como consumidor e, principalmente, ter produtos e serviços que a atenda. Não haverá outra forma de “abocanhar” essa potente fatia de mercado consumidor se as empresas não aproveitarem esses profissionais maduros, de forma atuante nas criações, planejamentos, desenvolvimentos de soluções e produtos que atenderão esse novo mercado que só cresce. É preciso ter mais produtos para eles, sem ser apenas aqueles ligados à saúde.

Ainda no “Tsunami Prateado” os dados indicam que a cada 10 consumidores acima de 55 anos, quatro reclamam da falta de produtos e serviços voltados para idosos; as mulheres são as que mais reclamam (43%).

Especialistas estimam que a chamada “Economia Prateada” – que reúne as atividades econômicas associadas às necessidades das pessoas com mais de 50 anos e os produtos e serviços que elas consomem diretamente ou virão a consumir no futuro – seja talvez a 3ª maior atividade econômica do mundo, que movimenta US$ 7,1 tri anuais. No Brasil, o consumidor maduro movimenta cerca de R$1,6 trilhão por ano, apesar da falta de produtos e serviços criados para eles. Mais uma potente contribuição dessa população que é desperdiçada.

Desafios como criar soluções para integrar diferentes gerações no ambiente de trabalho e gerar resultado, conhecimento e inovação a partir da diversidade etária precisa vencer, em primeiro lugar, a barreira do etarismo, o preconceito a respeito da capacidade de um profissional por conta de sua idade.

Sobre a resistência e as dificuldades com a tecnologia, saibam que os 50+ estão nas redes e consomem produtos digitais. Segundo dados da pesquisa ‘Webshoppers’, os consumidores 50+, pela primeira vez, foram os que mais fizeram compras online em 2021, totalizando 33,9% dos pedidos e ultrapassando os adultos de 35 a 49 anos, historicamente o maior público que compra pela internet, que responderam por 33,2%, segundo a pesquisa.

No mercado do trabalho, em meio a aceleração digital global com a pandemia, as empresas precisam ser cada vez mais tecnológicas. Se o consumidor 60+ estará em maior número no mercado em alguns anos, as empresas vão ter que contar com essa força de trabalho e, além de focar no seu consumidor precisam focar também nos seus talentos tech que vão estar no front e no centro dessa transformação digital.

Segundo um estudo realizado pela Manpower, 42% das empresas no Brasil estão acelerando seus processos de digitalização e automação. Na mesma pesquisa foi descoberto que a tecnologia está criando mais empregos do que suprimindo. O aumento da automação vai rearranjar as atividades e isso vai mexer com o quadro de funcionários. Os colaboradores vão ter que aprender sobre atividades demandadas por empresas mais automatizadas. Porém, essas não podem se eximir da responsabilidade de capacitar seus talentos seja ele jovem, seja 45+. Porque as novas habilidades serão novidades para todos, somente a forma de ensiná-las é que torna o processo mais inclusivo nas empresas.

Rapidamente, as organizações precisam encontrar novas formas de fazer as mesmas coisas e coisas novas. Enquanto isso, os profissionais ativos e os ingressantes têm que se adaptar e passar a dominar esse novo letramento de inovação digital. Assim poderão alavancar as oportunidades online com mais rapidez. As empresas vão precisar de pessoas com conhecimentos diferentes.

Tecnologia é um conceito muito amplo. Um processo novo, um novo jeito de fazer, são inovações que precisam ser implementadas e treinadas e os 45+ não têm medo disso, porém, estão sendo colocados à margem das novas ações por preconceito, por capacitismo.

Hoje, o mercado está em busca das softskills, mas também é importante trazer junto as techskills, porque o grande poder humano vai ser a soma desses dois conjuntos de habilidades. À medida que as empresas se transformam e se tornam digitais rapidamente, em escala, a competência necessária para os trabalhadores também muda.

As chances dos adultos jovens e 45+ se adaptarem a essas tendências que o mercado está pedindo, talvez não seja por meio da faculdade de quatro anos, mas por meio dos cursos rápidos, muitos até gratuitos e que podem contribuir e muito para a qualificação desses profissionais.

Vai ser preciso que o profissional sênior, além do seu conhecimento tácito, esteja atualizado sobre processo Agile, Scrum, e que ele saiba o que é trabalhar com dados. O melhor caminho é entender o quão perto e o quão longe ele está das novas competências.

Mais uma vez, contrariando os preconceitos, esse público se mostra muito mais aberto a experimentar tecnologia. Porém, mesmo com tantos dados que provam o contrário, o mercado ainda atribui a eles a falsa ideia de resistência em aprimorar seus conhecimentos tecnológicos.

Superar estereótipos etários é o maior desejo dos profissionais 45+. Esse deve ser um valor a ser considerado pelas empresas que ainda precisam aprender com essa força de trabalho e como se preparar para esse público. A empresa que não está atuando nesta pauta está deixando de ser humanizada e de colher o melhor fruto da convivência entre gerações. Não está preparada e nem atuante na diversidade real e produtiva.”

Cris Sabbag
Pesquisadora e CDO

Você sabia que o sucesso de sua empresa familiar está diretamente ligado à força de seus colaboradores? Por isso, se há dificuldades …

Você sabia que a má gestão financeira é uma das principais causas de falência das pequenas empresas? Segundo um relatório da consultoria …

Deixe um comentário

NEWSLETTER

Assine nossa news e receba conteúdos exclusivos,
tudo em primeira mão.

Assine agora!

Você sabia que o sucesso de sua empresa familiar está diretamente ligado à força de seus colaboradores? Por isso, se há dificuldades …

Você sabia que a má gestão financeira é uma das principais causas de falência das pequenas empresas? Segundo um relatório da consultoria …

“Os 60 de hoje são os 40 anos de ontem.” Cada vez mais é comum ouvir essa frase nos dias de hoje. …